Huma

Como fazer das panelinhas uma disputa saudável na empresa?

Mercado
09/02/2011

 

O início, geralmente, se dá na escola. Ao longo do ensino fundamental, médio e na faculdade a chance é de que o processo se intensifique. Estamos falando das tradicionais panelinhas, algo completamente natural e inevitável. Mas quando esse processo chega ao ambiente corporativo, por exemplo, como o gestor pode atuar para minimizar a disputa interna? 

De acordo com a consultora de Planejamento de Carreira da Ricardo Xavier Recursos Humanos, Vanessa Patrocinio, tudo dependerá do modelo de gestão do líder.

"Ele pode trazer segurança ou insegurança para os grupos e, assim, comprometer o resultado da equipe. Tanto o líder quanto os funcionários podem ter posturas diferentes na hora de lidar com as panelinhas, o que eleva a concorrência", afirma a consultora.

Por outro lado, Vanessa chama a atenção para as "panelinhas benéficas", que são capazes de proporcionar a união da equipe. "Nesse caso, existe uma forma de integração. O líder, aí, deve apenas manter os olhos para que nada fuja do controle da empresa", completa Vanessa.

Unir os funcionários em prol da companhia

A forma mais adequada de um líder se posicionar, tomando como base a disputa entre duas panelas, é colocando à frente de tudo e de todos a missão e os valores da empresa.

Partindo dessa premissa, ele irá obstruir todos os espaços dessas panelinhas se exporem e levarem a companhia ao caos. O objetivo máximo, explica a consultora, é que o gestor impeça a expansão das fofocas e da improdutividade.

"O gestor deve conseguir a confiança não só das panelas, mas de funcionários específicos. Ele deve dar abertura a todos os colaboradores, fazendo com que todos sintam-se acolhidos e tenham respaldo", explica Vanessa.

No caso de ser um gestor que tenha autonomia e transite em todas as áreas da companhia, ele terá mais facilidade para conscientizar e minimizar a disputa entre as equipes.

Comportamento dos funcionários

Como já mencionado pela consultora, tudo irá depender da forma de trabalho e atuação desse gestor. É importante, contudo, que ele atue pontualmente nos problemas.

"Ele deve se dedicar também às pessoas que não conseguiram fugir da 'síndrome das panelas'. Deve utilizar várias ferramentas com estes profissionais e, se for o caso, até remanejá-los para o bem da própria pessoa", conclui a especialista.

Essa notícia foi publicada no Administradores, em 08/02/11.

Comentários

X

Receba as principais atualizações do Portal Huma

Fique por dentro das novidades da área de gestão de pessoas. Assine a newsletter do Portal Huma e receba as principais informações da semana!

Enviar

https://www.lg.com.br/