Huma

Encontro de gerações é desafio para os RHs

Mercado
11/07/2016

Escritórios de toda parte do mundo hoje reúnem quatro gerações em um mesmo espaço: tradicionalista, baby boomer, X e Y. Em breve mais uma letra entra para a lista: é a geração Z, formada pelos nascidos neste século.

Os tradicionalistas ou veteranos certamente preferem conversar pessoalmente. Os baby boomers aceitam bem o telefone. O pessoal da X costuma pedir para resolver as coisas por e-mail e os da Y se satisfazem até com o WhatsApp.

Apesar de terem propósitos de vida distintos e preferirem meios de comunicação diferentes, são pessoas que trabalham no mesmo local e, no fim das contas, perseguem os mesmos objetivos para as empresas que as empregam. Portanto, precisam saber se relacionar. “É um desafio para a produtividade no ambiente profissional”, diz Rodrigo Dantas e Silva, sócio líder da prática de serviços financeiros da EY.

Silva foi chamado para debater o tema das gerações na palestra “Gestão de Talentos”, que aconteceu no Congresso e Exposição de Tecnologia da Informação das Instituições Financeiras (Ciab Febraban). Junto com ele estavam Patrícia Fris, gerente de seleção e desenvolvimento organizacional do Citi, e Monica Santos, líder de recursos humanos do Google na América Latina. 

A conclusão a que se chega é que o RH precisa se adaptar à medida que novos públicos ingressam no mercado de trabalho. “As gerações mais novas se satisfazem com elementos diferentes se compararmos com o que satisfazia as gerações anteriores”, diz Silva.

Patrícia, do Citi, concorda. Ela observa que as gerações mais novas buscam trabalho colaborativo, alternância de funções e mais autonomia. “Os mais jovens são muito autoconfiantes, então acreditam em si para realizar os trabalhos e querem crescer rapidamente”, diz.

Atentos a isso, os RHs de algumas empresas se preocupam em apresentar metas claras para o desenvolvimento profissional de seus funcionários, porque os mais jovens querem saber exatamente como se dará o crescimento dentro da organização e qual é o plano de desenvolvimento que há para eles. “São profissionais que precisam de reconhecimento constantemente e, algumas vezes, de ‘job rotation’”, diz Patrícia. No Citi, conta a executiva, o tema geracional faz parte, inclusive, do treinamento dos gestores. “Mostramos as ferramentas necessárias e disponíveis para gerenciar pessoas de diferentes gerações.”

Mas não é só na gestão dos talentos que o tema geracional é relevante. Para atrair bons profissionais também é preciso adaptar o discurso. Carreira de longo prazo e salário atrativo não são os principais fatores de atração para os mais jovens. A nova geração busca propósito e quer sentir que o trabalho realizado no dia a dia precisa realmente ser feito para que algo maior aconteça. “As empresas precisam entender que vão entrar em uma seara do propósito e, a partir daí, declarar de maneira mais evidente seu propósito, como ele se materializa no dia a dia e como engaja as atividades”, diz Silva.

Com o Gen.te Integra – Recrutamento e Seleção da LG lugar de gente, você encontra o candidato certo sem deixar de atender as exigências legais, as regras e os controles da organização. 

Quer saber mais? Entre em contato com a LG!

A importância do recrutamento e seleção

No Google, isso está muito claro. “O recrutamento tem grande importância no sucesso da empresa”, diz Monica. Na empresa de tecnologia, para que a contratação seja certeira e atraia profissionais alinhados à cultura corporativa, o primeiro passo é definir claramente os requisitos para preencher a vaga e, a partir daí, são definidas as perguntas a serem feitas aos candidatos. “Iguais para todos, para comparar melhor”, afirma Monica.

Se o candidato ideal não é identificado e o processo de recrutamento está se alongando muito, não existe a possibilidade de diminuir a exigência. “Se a qualificação é chave para a vaga, tem que manter”, revela a executiva. Se não é, não é incluída desde o começo do processo. “Se alguma competência pode ser aprendida ‘on the job’, não colocamos como pré-requisito.”

Sobre o propósito, tão importante para atrair talentos, principalmente os mais jovens, o do Google está muito evidente: ser parte da transformação que o mundo vive hoje. “As pessoas querem participar disso”, conta Monica. Não à toa, o Google ficou no topo da lista da empresa dos sonhos de todas as gerações: jovens, profissionais de média gerência e executivos do alto escalão. As listas, divulgadas em junho, foram feitas com base em levantamento do grupo DMRH em parceria com a Nextview People.

“Credito o resultado a uma combinação de fatores”, diz Monica. “Ambiente que permite realização e crescimento profissional, local fisicamente agradável, cultura colaborativa, flexibilidade para equilibrar vida pessoal e propósito.”

Essa notícia foi publicada no site Valor Econômico, em 08/07/2016

Notícias relacionadas:

Quatro gerações trabalhando juntas. Um final feliz é possível?

Chegada da geração Y ao mercado força renovação na gestão de pessoas

Tecnologia vai facilitar novos estilos de trabalho

Comentários

X

Receba as principais atualizações do Portal Huma

Fique por dentro das novidades da área de gestão de pessoas. Assine a newsletter do Portal Huma e receba as principais informações da semana!

Enviar

https://www.lg.com.br/