Huma

Falar palavrão no trabalho (realmente) pega mal?

Mercado
19/06/2012

Muito comum no dia a dia das pessoas, o palavrão às vezes sai do ambiente casual e entra no escritório. Especialistas  concordam que o uso de uma linguagem mais vulgar depende muito da personalidade de quem fala e do contexto em que as pessoas estão inseridas.

Para Romaly de Carvalho, professora de etiqueta empresarial, a norma é clara: “Só pode xingar e falar palavrão em jogo do Brasil na Copa do Mundo”, brinca. “Somos todos humanos, tem gente que fala mais, que tem o hábito. Palavrão não é adequado, mas em um momento de descontração é compreensível e pode até ser engraçado”, completa.

Sérgio Sabino, da consultoria Michael Page, concorda, mas é mais crítico em relação ao uso de palavras impróprias no trabalho: “O seu comportamento tem de ser como representante no ambiente corporativo. Falar palavrão não é o fim do mundo, acontece, mas você tem de tentar se comportar como um exemplo.”.

Para ele, existem situações mais informais no trabalho, como cafés e almoços, nas quais você conhece os interlocutores e pode agir com menos formalidade. “Mas no escritório o respeito tem de ser regra.”

Romaly não discorda, e ressalta que há ocasiões em que ser agressivo pode render processos: “Você não usa palavrão na hora da bronca, por exemplo. De jeito nenhum”, afirma.

A professora ainda comenta que falar palavrão não é para qualquer um. Além de depender da personalidade de quem fala e do contexto, pessoas que não estão em cargos mais elevados na hierarquia devem tomar cuidado. “Só corre menos risco quem está em cargo alto. Quem não está lá ainda pode comprometer a carreira”, diz.

Além disso, ela diz que é preciso perceber a cultura da empresa: “Alguns escritórios mais formais admitem menos, profissões mais liberais ou que lidam com criatividade tendem a ser mais informais”.

É comum também que palavrões sejam utilizados em discursos motivacionais nas empresas. Mas Sabino acredita que não vale a pena recorrer a esse recurso. “Eu não posso correr o risco de ofender alguns para motivar outros. Sem contar que não há garantia que aqueles que não se ofenderam efetivamente se sentiram mais motivados pelo meu discurso grosseiro”, explica.

Se você for mulher, as pessoas tendem a ser ainda mais exigentes. “O mundo corporativo até está mais igualitário, mas quando a mulher fala palavrão, a surpresa é maior”, diz Sabino. Romaly concorda: “Falar palavrões pode denegrir a imagem da profissional”.

 

Essa notícia foi publicada na Exame Online, em 15/06/2012

Comentários

X

Receba as principais atualizações do Portal Huma

Fique por dentro das novidades da área de gestão de pessoas. Assine a newsletter do Portal Huma e receba as principais informações da semana!

Enviar

https://www.lg.com.br/