Huma

Líderes capacitados, fortalecimento para o negócio

Mercado
25/01/2012

A base de uma empresa de sucesso sempre estará centrada em equipes comprometidas. Mas para que isso ocorra, é indispensável a presença de lideranças que detenham não apenas competências técnicas, como também comportamentais. Isso porque o líder torna-se o porta-voz da organização junto aos demais colaboradores, tornando a comunicação interna eficaz, criando um espaço propício para a melhoria do desempenho do capital humano.

No Grupo GR, organização que atua no segmento de segurança patrimonial, por exemplo, desde 2011 a companhia adotou novas ações com foco nas estratégias de gestão e sucessão para o futuro corporativo. Um dos resultados desse investimento foi a criação do Programa de Desenvolvimento de Gerentes (PDG) que possui como objetivos: desenvolver competências de gestão; oferecer ferramentas para que os gerentes possam desempenhar melhor seus papeis no dia a dia; além de formar sucessores para cargos mais altos.

De acordo com Flávia Herdeiro, diretora de Recursos Humanos do Grupo GR, o primeiro passo dado para implantar o programa ocorreu em 2010, quando teve a definição das competências que necessitavam ser desenvolvidas e o público-alvo que deveria ser ser atendido. "Em seguida desenhamos o conteúdo que o programa deveria contemplar. Depois buscamos um parceiro externo para desenvolver e aplicar o conteúdo. A partir daí foi só implementação logística, um pouco complicada, em função de alguns gerentes de unidades localizadas fora do Estado de São Paulo não poderem estar presentes", pontua.

Quando indagada sobre o motivo que levou a empresa a firmar parcerias com consultorias externas, a diretora de RH explica que isso ocorreu porque além de trazer práticas modernas em metodologia de treinamentos, o objetivo de atuar nessa linha de trabalho foi o de colocar um agente isento no processo para passar conceitos e informações. Flávia Herdeiro argumenta que não seria viável, por exemplo, convidar um instrutor de treinamento interno para ensinar técnicas aos seus pares, porque isso não faria sentido algum e comprometeria o êxito da proposta. Vale ressaltar que o gerente de treinamento também precisava de desenvolvimento e, por essa razão, também fez parte do grupo de treinandos.

O PDG é coordenado exclusivamente pelo departamento de Recursos Humanos. No entanto, os diretores de outras áreas opinaram no momento da elaboração do programa, enfatizando as competências que acreditavam que ser necessárias e desenvolvidas nos gerentes de suas respectivas áreas. Dentro desse contexto, o Grupo GR decidiu que quatro competências comportamentais deveriam integrar o Programa de Desenvolvimento de Gerentes: Gestão de Pessoas, Liderança, Solução de Problemas e Comunicação.

Cronograma - Segundo Flávia Herdeiro, o cronograma do Programa de Desenvolvimento de Gerentes é estabelecido e imediatamente divulgado assim que a iniciativa começa, para que os participantes possam organizar suas agendas com antecedência e estarem presentes a todas às atividades. "A cada módulo o conteúdo a ser ministrado é revisado pela consultoria e pela diretoria de RH que valida tudo.

Logo após cada módulo é elaborador um relatório de aproveitamento que inclui: presenças e absorção de conteúdo pelos participantes. Antes do início da aula os participantes respondem a um questionario para medirmos seu conhecimento sobre o assunto. Ao final do dia também realizamos essa avaliação. Assim conseguimos aferir quanto o conteúdo foi assimilado", sintetiza a diretora de RH do Grupo GR.

Resistência ao novo - Apesar da proposta do PDG visar o desenvolvimento dos gerentes, alguns apresentaram certa resistência às mudanças, uma vez que mexeria diretamente com a zona de conforto de cada um deles. "A maior dificuldade que enfrentamos foi convencer os gestores a comprarem a ideia de que eles necessitavam do treinamento.

No início do programa, a visão era de que eles estariam perdendo tempo em sala de aula. Aos poucos, à medida que foram absorvendo os conceitos, foram entendendo que ralmente precisavam, começaram a aproveitar o conteúdo oferecido", comemora Flávia Herdeiro, ao sinalizar que hoje muitos dos gerentes já manifestam, por iniciativa própria, a vontade de participarem das próximas edições do programa.

Retorno do PDG - Depois de sua implantação, não demorou para o Programa de Desenvolvimento de Gerentes apresentar resultados para a organização. Dentre os benefícios diretos destaca-se, principalmente, o entendimento de conceitos valiosos que podem ser usados no dia a dia da organização. Indiretamente, ocorreram ainda ganhos nos relacionamentos entre os gerentes que tiveram encontros e reflexões conjuntas que, certamente, renderão frutos positivos para o Grupo GR.

Por fim, Flávia Herdeiro enfaiza que ações como o Programa de Desenvolvimento para Gerentes torna-se fundamental para a Gestão de Pessoas, pois não é possível acreditar que as pessoas possam ter um número alto de acertos em sem que tenham sido preparadas para fazê-los. "O modelo do gestor empírico até se sustenta, mas exitem limites de resultado e de tempo. Se quisermos sucessores com qualidade técnica, conhecimento da empresa e do negócio e capazes de agregar valor, temos que dar condições para que esses profissionais sejam bons gestores de pessoas. Essa é a chave do sucesso, conclui.


Essa notícia foi publicada no RH.com.br, em 24/01/12.

Comentários

X

Receba as principais atualizações do Portal Huma

Fique por dentro das novidades da área de gestão de pessoas. Assine a newsletter do Portal Huma e receba as principais informações da semana!

Enviar

https://www.lg.com.br/