Huma

O vai e vêm de CEOs no Brasil

Mercado
31/07/2012

De acordo com a Booz & Company, consultoria responsável pelo levantamento, uma boa parte dessas trocas foi planejada (das 37 mudanças ocorridas no Brasil em 2011, 23 estavam previstas), mas muitos CEOs foram demitidos por não atingirem resultados esperados em um período de grandes expectativas.

Para Ivan de Souza, sócio sênior da Booz & Company para América do Sul e Mercados Globais (Ásia e Oceania), isso mostra que algumas companhias estão fazendo um esforço real para repensar sua estratégia e impulsionar a performance. “Os conselhos estão mais propensos a manter seus principais executivos durante épocas de incerteza econômica para manter a estabilidade, mas estão mais dispostos a promover uma mudança na liderança quando a estabilidade econômica retorna e as perspectivas melhoram para a empresa”, comentou o executivo.

Valorização da prata da casa

Na tentativa de corrigir rapidamente o rumo dos negócios, 71% das organizações brasileiras que trocaram o CEO preferiram buscar um substituto nos seus quadros internos ao invés de procurar o candidato no mercado. E a aposta parece ter dado certo. Entre 2008 e 2011, os talentos internos promovidos à presidência conseguiram um retorno quatro vezes maior para os acionistas do que aqueles que foram contratados do mercado. Além disso, a pesquisa mostra que seus mandatos costumam ser mais longos e eles permanecem, em média, um ano a mais no cargo.

De acordo com o estudo, nove entre dez executivos que assumiram o cargo de CEO no Brasil em 2011 nunca haviam ocupado o posto. No geral, foram indicados profissionais mais jovens que os anteriores, com idade média de 50 anos.

 

Essa notícia foi publicada no site Você RH, em 02/07/2012

Comentários

X

Receba as principais atualizações do Portal Huma

Fique por dentro das novidades da área de gestão de pessoas. Assine a newsletter do Portal Huma e receba as principais informações da semana!

Enviar

https://www.lg.com.br/