Huma

Profissionais além do currículo: o que os líderes precisam saber sobre seus liderados

Mercado
06/04/2011

 

Dificilmente, uma seleção acontece sem a análise de currículos. Afinal, é lá que está – pelo menos, em tese – o histórico profissional de quem pleiteia uma vaga. O papel, entretanto, não é suficiente, afirma especialista. Segundo ele, é apenas a ponta do iceberg e jamais o selecionador pode analisar o profissional levando em consideração exclusivamente o que consta no documento.

"As empresas buscam profissionais que tenham muito mais do que técnica e conhecimento acadêmico. As ações, a política e a cultura da organização dependem dos valores absorvidos pelo indivíduo durante a trajetória da sua vida, seja nas experiências profissionais ou pessoais, através do sucesso, do fracasso e da superação", explica Simone Viana, analista de recursos humanos e headhunter da Global Network.

A especialista lembra que a disputa por uma vaga no mercado "é uma batalha silenciosa, na qual cada candidato utiliza as suas principais armas, que são o conhecimento, as competências e as experiências".

Por todos esses motivos é tão importante conhecer a pessoa que está por trás das competências listadas no papel. "A entrevista deve ser direcionada de forma a desarmar o candidato e fazer com que ele mostre quem é realmente. Padrões de comportamento, roupas adequadas e falas são ensinadas por manuais para candidatos e não ajudam a penetrar tão profundamente na personalidade e no interior do profissional", observa Viana.

A analista lembra ainda que a entrevista não é uma sessão terapêutica, e que as questões tradicionais também não podem ser esquecidas. Tudo o que diz respeito à formação do profissional como um todo pesa na hora da avaliação. "As transformações que acontecem na sociedade também se refletem nas relações de trabalho e na conduta dos profissionais. Por isso os líderes devem estar em constante aprimoramento para conseguir extrair as informações necessárias de cada candidato", aponta.

Viana destaca também que os selecionadores devem sempre estar abertos a novas idéias para que possam desenvolver novas técnicas, estratégias e abordagens. "A tarefa é difícil, mas não impossível. Compreender todas as informações obtidas e contextualizadas sobre o profissional pode ser uma experiência interessante e com resultados surpreendentes. Quem sabe você não está diante de um talento que precisa ser lapidado, bastando apenas uma boa oportunidade?", acrescenta.

Essa notícia foi publicada no Administradores, em 04/04/2011.

Comentários

X

Receba as principais atualizações do Portal Huma

Fique por dentro das novidades da área de gestão de pessoas. Assine a newsletter do Portal Huma e receba as principais informações da semana!

Enviar

https://www.lg.com.br/