Huma

Sete erros que chefes devem evitar ao dar uma bronca

Mercado
29/07/2013

Ter um currículo profissional para assumir cargos que dão grande poder sobre subordinados nem sempre significa saber lidar com a equipe e motivá-la. Não é incomum ouvir casos de chefes que desestimulam os funcionários e enfraquecem seu desempenho por não saberem dar uma (aparentemente simples) bronca.

O conhecido feedback deveria ser uma prática adotada de modo contínuo, e não somente em momentos de avaliação de desempenho, como acontece normalmente em muitas empresas, de acordo com o psicólogo Maurício Victorelo Bertolini, supervisor da capacitação interna e das Oficinas de Orientação para o Trabalho do Centro de Solidariedade ao Trabalhador.

Sendo assim, críticas construtivas, tanto em relação aos pontos fortes e fracos, feitas cotidianamente, são meios de acelerar o processo de desenvolvimento profissional e pessoal. A questão é que nem sempre as críticas trazem resultados positivos. "Em um ambiente cada vez mais competitivo, muitas vezes o feedback é feito de forma inadequada", afirma o superintendente de Recurso Humanos da Boa Vista Serviços Marcos Vono.
 
E qual é a melhor maneira de agir de modo que a autoestima do subordinado não seja afetada? Quando um chefe precisa apontar um erro ou um comportamento inadequado, ele deve fazer isso pensando em despertar na pessoa a vontade de acertar. "Não faz sentido fazer com que a pessoa se sinta ofendida. O papel do líder é trabalhar para que o seu liderado chegue ao melhor de sua performance. E ninguém produz mais porque está se sentindo ameaçado, inseguro ou com medo", diz o consultor.
 
Veja os erros que os chefes devem evitar
 
1. Não tente aplicar a mesma fórmula a todos os funcionários. É muito importante identificar qual é a realidade do ambiente em que atua e ser flexível para adaptar o seu estilo de liderança às exigências de um determinado local. Um bom líder é aquele que tem uma conduta com o grupo e que também sabe como estimular cada membro individualmente.
 
"Há pessoas que exigem uma conduta mais diretiva; outros precisam de apoio para executar uma determinada tarefa, enquanto há aqueles a quem você pode delegar e confiar. Há, também, quem sabe trabalhar sob pressão, mas há os que jamais devem ser pressionados. Portanto, o modo adequado de abordar cada indivíduo é específico", afirma Renata Di Nizo, fundadora da Casa da Comunicação, que dá consultoria para equipes de trabalho e líderes. Por isso, conhecer os liderados, ajuda a saber como inspirar seu melhor desempenho.
 
2. Não construa uma imagem amedrontadora. Criar um espaço para o diálogo é a grande chave do bom relacionamento entre chefe e funcionários. Assim, é possível corrigir problemas e determinar, com objetividade, o que, como, onde e quando executar uma tarefa. "Cabe ao líder cumprir seu papel de garantir o melhor desempenho. Portanto, em vez de bronca, a conversa tem por objetivo falar da entrega, da qualidade ou da falta de qualidade da tarefa", explica Renata, que é autora do livro Reinventando a Liderança, por Uma Ética de Valores (Editora Summus).

3. Não fale com os funcionários apenas para apontar erros. Lembre-se de comemorar vitórias com as pessoas que trabalham com você, para que todos sintam que seus acertos também são valorizados. Crie um senso de responsabilidade mútuo em toda equipe pelos erros e acertos.
 
4. Não espere que todas as tarefas sejam executadas da mesma maneira. É também desafio do líder saber lidar com o grau de maturidade do funcionário em relação a uma tarefa específica. "Um profissional pode ser um excelente vendedor, mas pode ter dificuldades para preencher formulários", exemplifica Renata. Portanto, para esta tarefa específica, o líder deve acompanhar, apoiar ou indicar uma formação complementar.
 
5. Cuidado com as broncas seguidas de elogios. A "técnica do sanduíche", que é a de começar falando das qualidades, rechear com críticas e fechar a conversa com elogio, pode não dar certo. Segundo Vono, depois de algum tempo, o funcionário já sabe que o elogio é sempre algo que antecede uma bronca. "Isso gera descrédito", diz Vono. Portanto, não faça rodeios e, principalmente, ouça seu funcionário, caso ele queira dar uma justificativa.
 
6. Jamais desrespeite seu funcionário. "Humilhação no ambiente de trabalho é um fenômeno maior do que se imagina e que cresce a cada dia", afirma Vono. "Nenhum líder deveria ter a permissão para falar com um liderado de forma desrespeitosa, mas isso acontece sob nomes que disfarçam o assédio moral. Chamam isso de liderança diretiva, entre outras coisas", explica ele. Se precisar dar uma bronca, faça isso reservadamente e de modo respeitoso.
 
7. Evite dar broncas sem apresentar razões claras. Cobre um melhor desempenho baseando-se em evidências. Explique claramente o motivo da conversa que vocês estão tendo. Esteja certo de que a mensagem que quis passar ao funcionário foi compreendida. Lembre-se de que o profissional ocupa um cargo compatível com suas experiências e de que ele tem os recursos necessários para executar sua função. Tire o melhor dele e ouça as razões que o levaram a agir deste ou daquele modo. Muitas vezes, uma pessoa domina melhor as tarefas cotidianas do que o chefe, que tem outras funções na empresa.

 

*Essa dica foi publicada no site RH.com.br, em 25/07/2013

Comentários

X

Receba as principais atualizações do Portal Huma

Fique por dentro das novidades da área de gestão de pessoas. Assine a newsletter do Portal Huma e receba as principais informações da semana!

Enviar

https://www.lg.com.br/