Sala de imprensa

Revoluções empresariais

Clippings 12/12/2005 Veículo: Diário da Manhã

Inovações tecnológicas e estruturais são adotadas como meios de manter-se no mercado e driblar concorrência

Inovar tornou-se vital para empresas de qualquer porte e setor. Seja ela tecnológica, gerencial ou estrutural, mudanças são importantes para enfrentar concorrências e criar um diferencial para a empresa. De acordo com 90% de mais de 900 altos executivos entrevistados pela consultoria internacional de estratégia BCG, o crescimento orgânico dos negócios só é possível hoje com transformação de novas idéias em boas mercadorias. Companhias que não inovam selam uma sentença de morte. Mais cedo ou mais tarde, ela virá provocada pela evolução e pelas inovações feitas por uma concorrência cada vez mais pulverizada e diversificada.

Existem três tipos de inovação: radical, menores e incrementais. Cada uma com sua importância. A primeira envolve um produto que revoluciona todo um padrão de vida, como os computadores e os celulares. Os menores são aqueles que têm os mesmos usos, mas melhoram o desempenho e a função. O último, incremental, são aqueles que recebem pequenos diferenciais no produto. Outro fator diz respeito ao ritmo mais acelerado de lançamentos. Ainda ontem um modelo de automóvel demorava quatro anos para ser lançado. Hoje leva metade desse tempo.

Devido a essas constatações, duas questões se tornaram primordiais atualmente no mundo dos negócios. Questão número 1 - como transformar uma empresa, com todos os seus mecanismos de planejamento e controle, num ambiente realmente inovador? Questão número 2 - como garantir que as inovações geradas façam sucesso no mercado e tragam resultados financeiros? O mesmo levantamento da BCG indica que a maioria das empresas está insatisfeita com o retorno econômico de suas inovações.

A empresa goiana LG Informática é um referencial em desenvolvimento de software no País. Há 20 anos no mercado, ela é competitiva e não mede esforços para se manter sempre atualizada. Por este motivo, foi criado um departamento de tecnologia que abriga profissionais que diariamente absorvem técnicas, estudam e disseminam tecnologia. Com o conceito de que todo investimento é agregar valor ao produto, além de transformá-lo mais competitivo e de melhor qualidade, por ano são investidos em maquinário e pessoal entre R$ 800 mil e R$ 1 milhão.

Folhas de pagamento

O resultado obtido pela LG Informática é um crescimento anual de 30% a 40%. Entre a lista de clientes estão Ambev, Carrefour e Celg. Uma rede de confiança que começou quando a empresa criou um sistema de folha de pagamento que deu origem ao FPw. O diretor de tecnologia, Eduardo Virgílio, conta que inicialmente as pequenas empresas, com menos de 100 funcionários, seriam o alvo. “Com o desenrolar do projeto, começamos a acreditar que a solução poderia vir a ser útil também para as grandes empresas”.

Apesar do grande sucesso, a LG não quer ficar parada no tempo. Para isto, outros projetos estão em andamento. Entre eles estão o Sistema Integrado de Saúde (SIS) e o Sistema de Gerenciamento de Terceiros. O primeiro é uma solução que vai permitir, entre outras funções, que um funcionário, ao sofrer acidente fora da sua cidade, ofereça a sua senha para o médico que o atender, de modo que este vai ter acesso a informações básicas para a tomada de decisões. O outro projeto é produto que ajuda na aprovação de entrada de terceiros na empresa, identificação e controle do prazo de prestação do serviço, gerenciamento de contratos, etc.

DIFERENÇA - Ousar é importante para o desenvolvimento de qualquer negócio. O gerente de unidade de inovação e acesso à tecnologia do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae-GO), Joubert Amado Camelo, explica que as próprias necessidades fazem com que as empresas busquem por mudanças. O profissional afirma que não precisam ser radicais; um simples processo que melhore o produto já é um começo para agregar valor. “A inovação começa a partir do momento em que as empresas têm a visão de melhorar o que fazem”.

Engana-se quem pensa que para inovar deve-se investir uma quantidade infinita de dinheiro em pesquisa e desenvolvimento. Pesquisa da consultoria Booz Allen com mil empresas mundiais mostra que os resultados das que mais investem nesse item não são significativamente maiores que a média. Por vezes, é o oposto. Considerada modelo de criatividade no setor automobilístico, a japonesa Toyota é a terceira que mais investe em pesquisa e desenvolvimento. Seu valor de mercado, porém, supera a soma dos três maiores fabricantes mundiais.

https://www.lg.com.br/